06 março 2014

8

Resposta Atendimento ao Consumidor Fenzza Make Up

Olá, meninas,

Recebi e-mail de resposta da Fenzza Make Up (data 05 de março de 2014) a respeito de sua situação vigente junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Eu aproveitei o contato para pedir esclarecimentos sobre a Nomenclatura de Ingrediente INCI, citada na reportagem do Programa Câmera Record (exibida em 26/02/2014). A matéria sugere que tais códigos indicados para a composição dos produtos não seriam válidos internacionalmente e sem saber exatamente que ingredientes estão contidos na formulação, ofereciam riscos à saúde dos consumidores.

Também dei como sugestões que no site oficial da marca que todas as informações  impressa no selo lacre das embalagens possam ser transcritas on line. Isso facilitará o acesso à leitura em consultas futuras. Quando rompemos o lacre, o texto é danificado e informações importantes são perdidas. Além disso, em virtude do tamanho reduzido de embalagens como batons, sombras, lápis a fonte é  muito pequena e também dificulta a leitura.

Gostaria de compartilhar a cópia do do conteúdo do e-mail, porque sou consumidora (Pessoa Física)  dos produtos da marca Fenzza Make Up. Esclareço que não tenho tenho relações comerciais com a marca e/ou empresa importadora.
Para reforçar, entrei em contato com a Anvisa pelo canal telefônico de atendimento ao cidadão e não apurei irregularidades.  ANVISA ATENDE - 0800-642-9782



* * *



Prezada Vanessa,

Meu nome é Luana e sou responsável pelo atendimento e informações aos clientes consumidores. Recebemos a sua manifestação que foi registrada com o número de protocolo 1405114.

 Primeiramente gostaríamos de agradecer você por consumir nossos produtos e ainda a preocupação com a matéria veiculada no Programa Maquiagens do Câmera Record de quarta-feira dia 26/02/2014.

Nossa manifestação é apenas e exclusivamente em relação aos produtos da empresa Clímaco/FENZZA, não temos conhecimento das condições técnicas, legais e de qualidade dos outros produtos exibidos na mesma reportagem.
 
A matéria tratada no referido programa aborda de forma equivocada os assuntos técnicos e regulatórios, colocando essa questão sem o embasamento técnico adequado.

 Observe que nenhum especialista em assuntos regulatórios e qualidade foi entrevistado e ninguém da própria ANVISA aparece na matéria, apenas a Jornalista cita que a ANVISA disse ou recomenda algo, mas a ANVISA mesmo não se manifestou na reportagem.


A Jornalista demonstra não ter domínio quando trata do assunto das legislações de cosméticos regradas pela ANVISA no Brasil, principalmente quando fala em "informar códigos", exibindo o desconhecimento APENAS dessa parte da matéria ao tratar esse assunto, se não veja, o trecho abaixo foi retirado do site da ANVISA e pode ser consultado conforme segue  http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/inci.htm entre outras explicações.

"INCI - International Nomenclature of Cosmetic Ingredient é um sistema internacional de codificação da nomenclatura de ingredientes cosméticos, reconhecido e adotado mundialmente, criado com a finalidade de padronizar os ingredientes na rotulagem dos produtos cosméticos."

A matéria usa o depoimento de dois médicos um dermatologista e um oftalmologista que abordam muito bem o assunto, porém, eles tratam genericamente as reações que podem ocorrer com qualquer produto que em contato com a pele ou mucosas de uma pessoa sensível a um ou mais componentes de sua constituição ou produtos de qualidade duvidosa que certamente não é nosso caso. Temos como exemplos; cremes, shampoos, batons, desodorantes, medicamentos, solventes, produtos de limpeza e até alimentos, destacamos que os referidos médicos não apontam especificamente para nenhum dos produtos exibidos na reportagem como um produto de qualidade ruim.

Dessa forma a matéria quando trata do assunto da regularização junto à ANVISA se faz pela Jornalista que conduziu a reportagem e a consumidora que se diz prejudicada por um produto cosmético, ou seja, são leigas no assunto, reforçamos que nenhum especialista em qualidade e regulatório ou representante da ANVISA se manifestaram.

Não sabemos a real intenção dessa matéria que tenta demonstrar que produtos de custo baixo e/ou fabricados na China tem qualidade ruim e não seguem as legislações sanitárias para cosméticos no Brasil determinada pela ANVISA.

Necessita esclarecer ao consumidor é que isso não procede, a maioria absoluta das grandes marcas fabricam seus produtos na China, sendo que a diferença esta exatamente no preço que o consumidor paga a mais pela grife que essas empresas colocam nos seus produtos e logicamente os encarecem. 

O Programa Maquiagens do Câmera Record de quarta feira dia 26/02/2014, exibe nas imagens nossos produtos da Clímaco/FENZZA junto a outros tratados como supostamente irregulares.

Nossos produtos seguem os padrões de segurança, eficácia e qualidade determinados pela ANVISA, executamos os testes exigidos, assim como, as adequações de rotulagem aceitas pela ANVISA. Todos os produtos da Clímaco/FENZZA são legalizados na ANVISA e podem ser publicamente consultados em página especifica no site da mesma.

Agradecemos suas sugestões de melhoria para nosso produtos que vamos avaliar.

Reforçamos nossos compromissos com a qualidade, idoneidade e integridade dos nosso produtos, respeitando não apenas você, mas também todos os outros consumidores de nossa linha e marca, temos a certeza pelas milhares de unidades vendidas anualmente que estamos no caminho certo.

Qualquer dúvida, por favor, faça contato.

 Atenciosamente,

 Luana de Paula Diogenes

* * *

Comentários: No deixei em negrito algumas passagens do texto de resposta Fenzza Make Up (grifos meus).

 No site da Anvisa  é possível consultar os registros de deferimento de alguns produtos cosméticos Grau 2  Fenzza Make Up (cosméticos infantis). Fiz essa busca na Base de Dados do Portal Anvisa.

Clique para ampliar


Mais uma vez agradeço à Fenzza Make Up pelo pronto atendimento, tanto via Facebook como em resposta oficial por e-amail.



8 comentários:

  1. Gostei da resposta! Ele manteve uma postura defensiva a maior parte do tempo.

    Carla Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb gostei minha diva.
      Defesa, posicionamento.

      Excluir
  2. Nessa

    Gostei muito da resposta, pelo menos responderam, muita coisa ficou no ar pelo jeito
    Eles tem sim o direito de se manifestar e de se defender, todos tem .
    Obrigada pro compartilhar

    bjo

    Pri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pri,

      Também gostei da resposta. Foi longa e tocou nos principais temas, tomando posicionamento. Outro destaque foi apresentar provas de sua situação junto à Anvisa.
      Não se trata de uma empresa clandestina ou em situação irregular.

      Não gosto de programas sensacionalistas como Fantastico, Camara Record etc
      mas achei muito ruim que o programa não deu direito de resposta, nem muito menos
      entrevistou algum membro da Anvisa ou Vigilancia Sanitária na reportagem.

      Se o objetivo do programa era denunciar, mostrar perigos, como muitas vezes vi a Pró Teste e o Fantástico fazerem, sempre gosto desse tipo de abordagem. Eles levam amostras, fazem testes em laboratórios regulamentados pela Anvisa e com base em laudos fazem a denuncia.
      Os fabricantes se defendem, as vezes recolhem o lote, fazem novo controle de qualidade etc e a Vigilancia Sanitária toma as providências cabíveis.

      A mensagem que pelo menos ficou para mim foi "produto comprado na 25 de março de origem chinesa" é barato e é um risco à saúde. Não comprem!
      E não é bem assim. Agora...se maquiagem sem FPS ou dermocosmetica é classificada como Grau1 (maquiagem convencional) e se tem perigo serio ai.... a norma precisa ser revista.
      Se o produto importado de origem chinesa não tem a qualidade necessária como a intenção da reportagem mostrar, a Anvisa é responsável pela regulamentação que leve o assunto para a discussão em seu conselho técnico. Que se tenha mais rigor nas autorizações de importação e comercialização.
      Nós consumidoras não temos laboratório pericial para testar produtos!

      Até agora não tive resposta da Record e acho que não irei receber.

      bjsss

      Excluir
    2. E eu aqui como consumidora continuo ligando para os SACs pedindo mudanças nas informações que ficam nos lacres. Isso vale não só para cosmético importado mas para os fabricados no Brasil.

      Excluir
    3. Pois eh flor, eles jogam a matéria não entrevista quem de verdade precisa.
      Eu entendi o msmo que você
      Pessoal acredita........em tudo sem averiguar claro, sem desconfiar
      Precisa ser melhor esclarecido

      bjo

      Pri

      Excluir
  3. Nessa,
    A matéria foi polemiza e o assunto é delicado.
    Se há erros não só a Fenzza deve ser responsabilizada, tem muita gente envolvida inclusive a Anvisa.
    Sou consumidora e uso os produtos da marca a muito tempo e nunca tive nenhuma reação. Acho a marca excelente e muito acessível.
    A resposta da Fenzza foi plausível, pois não ouve uma analise minuciosa do produto da menina da entrevista.
    Obrigada por se preocupar e trazer uma resposta para nós que acompanhamos o blog.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Deni!

      Vc como advogada sabe bem disso. Se há erros, todos os lados tem responsabilidade.
      E a Anvisa é a primeira delas.
      Se há brechas na regulamentação, se que revise.
      Se não há meios periódicos de fiscalizar para testar lotes aleatórios, não libere
      Se não há como testar antes de liberar, não libere.
      Se maquiagem convencional tem "riscos/restrições acima dos previstos", que mude para Grau 2.

      Agora..por culpa apenas consumidor que compra e no logista que revende... não dá.

      O que eu queria ter visto era a reportagem ter comprado diversos produtos em lotes aleatórios em lojas diferentes, importados e nacionais, contratado um laboratório credenciado para testes e de posse com laudos fazer denuncia. Ex. se um determinado produto possui concentrações de chumbo maiores que o permitido.
      Ou se sombra tem potencial irritativo e precisa ser oftalmologicamente testado para liberação....

      Entregar a denuncia à Vigilância Sanitária do Estado de SP onde foi feita a matéria
      e cobrar providências dos órgãos competentes.

      Mas não foi nada disso. Somente denunciou sem fundamentar.

      Assim como vc, tenho muita maquiagem. Tenho fenzza, jasmyne, ruby rose etc
      Nunca tive problemas e assim como qualquer cosmetico Grau 1, reações de sensibilidade.
      Gosto dos produtos, sou satisfeita como consumidora. Minha luta é por direitos do consumidor.

      espero que as marcas possam melhorar o problema dos rotulos-lacre.

      bjsss

      Excluir